Anúncios

custo para manter um carro
Fonte: Freepik

Ao lado do sonho da casa própria, o sonho de ter o carro percorre a realidade de muitos brasileiros. No entanto, o sonho tem se tornado um grande pesadelo, considerando o alto valor de manutenção de um veículo em 2022.

A ideia é que o gasto com o carro não se resume ao valor da compra. Afinal, o abastecimento, licenciamento, IPVA e ajustes que precisam ser feitos ao longo da vida do veículo pesam no bolso.

Mas o agravante desponta após o estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais. De acordo com a instituição, o custo para manutenção de um carro foi duplicado desde 2015. O motivo do alto custo para manter um carro, você confere a seguir!

Entenda de perto os motivos do aumento 

De acordo com uma pesquisa divulgada pela CupomValido, o Brasil ficou no 5º lugar da lista de países de alto custo para se manter um veículo. Além disso, sugere o estudo que cerca de 441,89% da renda anual dos brasileiros fica comprometida na hora da compra e manutenção do tão sonhado carro zero.

Somado a isso, as informações colhidas pelo Ibmec demonstram que a manutenção de um carro popular, tal qual um Gol ano 2016, gira em média de R$ 14,5 mil anual. Isso equivaleria a R$ 1.210 por mês.

Aliás, o estudo concluiu que o aumento em comparação aos últimos 7 anos foi de 90,5%, propulsionado pelo aumento exponencial do preço da gasolina. Concorre ainda que a manutenção de um carro atinge preços descabíveis devido ao aumento dos seguros, IPVA e estacionamentos.

Assim, por um lado, temos a pesquisa feita pela TEx que aponta um aumento de 5,3% no Índice de Preços do Seguro Automóvel em setembro de 2021. Já por outro, o IPVA 2022 passou por um reajuste de valor de 22%. 

Ambos feitos concorrem para o aumento expressivo do custo de manutenção de um veículo em 2022. No entanto, nenhum deles é mais alarmante do que o aumento do preço do combustível.

Combustível: o verdadeiro vilão?

custo para manter um carro
Fonte: Freepik

Correndo o risco de chegar a R$ 8 por litro, a gasolina impacta diretamente no alto custo para manter um carro e, claro, no orçamento de inúmeras famílias.

Calma, vamos por partes. Em 2021, o preço da gasolina acumulou uma alta de 30,5%. Agora, para explicar tal aumento, precisamos entender de perto o que afeta no preço do combustível.

Se pensarmos no diesel e na gasolina, temos que considerar que o primeiro fator constituinte de seus preços é o preço do barril de petróleo. A commoditie oscila de preço com a oferta e procura internacional.

Pensando nesse viés, em 2021, o preço do barril de petróleo Brent estava em uma subida de 37%. Isso se deve a recuperação econômica de muitos países que tiveram suas economias afetadas pela COVID-19.

E aí, quando o preço do petróleo passa por oscilações no mercado externo, aqui no Brasil gasolina e diesel também possuem os seus preços reajustados. 

O ponto importante para se ter em mente é que a cotação do petróleo é em dólar. E isso implica ainda mais na desvalorização do real. Considerando o derretimento de nossa moeda e o aumento do preço do barril, temos aí a justificativa para o alto preço do combustível.

Dificuldade de produção de carros novos e aumento do IPVA

Devemos lembrar ainda que no ano de 2021 muitas fábricas de automóveis sofreram uma baixa na produção devido à escassez de oferta de semicondutores.

Afinal, um carro sem a presença de um semicondutor não poderia funcionar, visto que o controle do motor dependeria de circuitos eletrônicos. O impacto foi tão grande que tivemos uma queda de 21,3% de veículos novos e a produção tende a se estabilizar somente em 2023.

Nesse sentido, neste cenário catastrófico, muitas montadoras como a Honda e a Toyota pararam suas atividades. E como dita a lei da oferta e da procura, os carros antigos tendem a se valorizar e os novos a ficarem cada vez mais caros. 

O processo juntamente com a desvalorização do real impactou diretamente o preço do IPVA 2022, como podemos notar. A consequência de tudo isso? O aumento expressivo do preço para a manutenção de um automóvel no Brasil em 2022.

Gostou do post? Então, navegue por nossas demais publicações e fique antenado às últimas notícias sobre finanças, economia e investimentos. Até mais!