Anúncios

salário mínimo de 2022
Fonte: Pexels

Entra ano sai ano, mas uma coisa não muda: o reajuste do salário mínimo é certo. Após a aprovação do Orçamento Geral da União pelo Congresso Nacional, toda virada do ano, o Governo publica por meio de uma Medida Provisória o novo valor do salário mínimo.

Como é de práxis, no início deste ano, o piso salarial recebeu alterações. Segundo a Medida Provisória Nº 1091, o salário mínimo de 2022 passou a ser R$ 1212,00 e já está valendo desde o dia 1º de janeiro.

No entanto, o aumento que representa 10,04% de reajuste não apresenta um aumento real, como muitos brasileiros esperavam. Afinal, presenciamos nos últimos tempos um aumento bem maior que 10% em nosso custo de vida. Confira os motivos a seguir!

O maior reajuste salarial da história: verdade ou mito? 

Com o aumento em questão, o salário mínimo de 2022 sofreu então o maior reajuste desde o ano de 2016, quando o Governo de Dilma Rousseff aumentou o piso salarial em 11,4 %.

No entanto, o reajuste se deve ao acúmulo inflacionário no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Isso equivale a dizer que o novo valor em questão repõe somente a inflação, sem nenhum aumento real.

Pensado para ser capaz de custear as necessidades mais básicas de um indivíduo, hoje o salário mínimo não cumpre com seus propósitos. 

Pesquisas apontam que antes mesmo do cenário pandêmico e da alta da inflação, os brasileiros precisariam desembolsar mais de 66% com alimentação, garantindo assim o direito à subsistência.

O agravamento do cenário econômico brasileiro, tende a mostrar que o salário mínimo é insuficiente para a manutenção de um lar e para a conservação da vida de inúmeros brasileiros, dos quais 39,9 milhões vivem em situação de pobreza extrema.

Entendendo a desvalorização do salário mínimo

Instituído em 1934 com as Leis Trabalhistas, o salário mínimo está garantido pelo Art. 76 da CLT. Já em 1946 a Constituição em voga determinou que o salário mínimo deveria satisfazer as necessidades do trabalhador e de sua família, caracterizando-o como mínimo familiar.

Em 1988, a Constituição Federal normatizou algumas cláusulas, sobre as quais o piso salarial deveria ser reajustado para que o seu valor fosse preservado ao longo do tempo, independentemente do Governo e da situação econômica do país.

O valor flutuante do salário base impacta diretamente a economia e a vida de milhões de brasileiros. Isso porque o salário mínimo afeta diretamente os seguintes valores:

  • Bolsa Família;
  • Seguro desemprego;
  • PIS;
  • Benefícios do INSS;
  • Indenizações Trabalhistas.

Dito isso, ao considerarmos que o salário mínimo de 2022 é de R$ 1212,00 e ao compararmos o valor com o salário de 2018 de R$ 954,00, teremos a leve impressão de que o salário aumentou.

No entanto, não devemos esquecer que o reajuste de 2022 tem por base a inflação. Sendo assim, para compreender o quanto o valor atual do salário mínimo vale é preciso antes compreender o que este dinheiro é capaz de comprar. Em outras palavras, precisamos analisar o poder de compra de R$ 1212,00 em 2022 no Brasil.

Segundo pesquisas, o salário mínimo de 2022 não é capaz de comprar nem mesmo 2 cestas básicas. Aliás, se fôssemos considerar o preço das cestas básicas como parâmetro para o piso salarial, as relações seriam bem diferentes.

Um levantamento feito pelo Dieese aponta que para a satisfação das condições mais elementares de vida dos brasileiros, o valor ideal do salário mínimo deveria ser de R$ 5.583,90. Valor este bem discrepante do reajuste atual, não acha?

Por que o salário mínimo é tão baixo?

salário mínimo de 2022
Fonte: Pexels

Sem o reajuste real do salário mínimo, não há aumento do poder de compra, mas tão somente a recomposição do aumento dos preços gerados pela inflação. Sendo assim, o salário é maior, mas vale menos.

A falta de um aumento expressivo no salário mínimo reflete nas mudanças orçamentárias do Governo Federal. Em outras palavras, o aumento do piso salarial aumenta consideravelmente os gastos do Estado.

O aumento do piso salarial gera despesas para os cofres públicos, tendo aumentado recentemente em cerca de R$ 328 milhões. Isso se deve ao fato do reajuste estar relacionado a inúmeros benefícios, como as aposentadorias. 

Em outras palavras, o aumento real do salário mínimo não se dá devido à possibilidade de impactos nas despesas públicas do Governo Federal. E, considerando a gestão de controle de gastos do ministro Paulo Guedes, o aumento do salário mínimo acima da inflação ainda não foi cogitado pelo Governo de Jair Bolsonaro.

Gostou da publicação? Então leia também os demais artigos aqui no site OMES. Em nossas categorias você encontra posts sobre economia, finanças, investimentos e muito mais. Confira!