Anúncios

criptomoeda brasileira WiBX
Fonte: Wibx

Já pensou em fazer uma compra e uma das formas de pagamento ser a criptomoeda brasileira WiBX? No final de 2021 isso virou realidade, sendo algo até então inédito para o mundo das criptomoedas. A estreia foi em uma unidade da rede de supermercados Shibata, com atuação no Vale do Paraíba, litoral paulista e na capital de São Paulo.

Além disso, é a mais moderna do grupo e a partir do teste, a novidade chegará às demais. De acordo com o cofundador do utility token brasileiro, Vagner Sobrinho, o desafio dele e do cofundador Pedro Alexandre sempre foi proporcionar para a WiBX um uso real para integrar a rotina das pessoas em uma escala ampla. É o que se observa com esse passo.

No conteúdo a seguir, você saberá mais não apenas sobre essa novidade para o universo das criptomoedas, como também sobre o token brasileiro e seu progresso no mercado nos últimos meses.

A estreia do WiBX como forma de pagamento real

Segundo Vagner Sobrinho, o grande diferencial que a WiBX promove é a inserção propriamente dita na transação tradicional de pagamento. Isso porque quando se tratam das criptomoedas, há intermediários que liquidam a partir da exposição do criptoativo. Por isso, é um passo significativo, inclusive para que essa moeda se torne cada vez mais conhecida, tanto como um meio de pagamento quanto entre os investidores.

Além disso, vale citar que o grupo de supermercados Shibata realizou o investimento de R$15 milhões na Wiboo, a controladora do token e da qual Pedro Alexandre é CEO. 

O aporte ocorreu no primeiro semestre de 2021 e no anúncio, indicou-se a viabilização para que a startup ampliasse a sua atuação, envolvendo empresas da área de varejo. E, ao citar o teste da WiBX em uma das lojas da rede, observa-se, de fato, um grande passo na direção da inovação.

Saiba mais sobre a criptomoeda brasileira WiBX

A criptomoeda brasileira WiBX condiz a um utility token com uso em campanhas de fidelização de empresas. Com isso, inova o meio dos influenciadores. Isso porque exclui o intermediário, como o Facebook e outras mídias, que também obtêm dinheiro com as campanhas e as centralizam.

O sistema de recompensa conta com a própria tecnologia blockchain. As informações das operações são registradas em “blocos” e viabilizam transações descentralizadas, ou seja, não há necessidade de um auditor. Desse modo, a promoção de conteúdos, serviços ou marcas pode ser feita e validada por meio do sistema.

Além disso, a tecnologia conta com a velocidade adequada para todas as operações. Isso abrange desde os pagamentos até o compartilhamento de conteúdo. 

Se deve considerar também nesse cenário que, não apenas quando se fala na criptomoeda brasileira WiBX, mas neste meio no geral, há cada vez maior atratividade entre os investidores. No entanto, ainda há uma série de dúvidas, o que pode, inclusive, ser um dos motivos para afastar algumas pessoas do início do investimento em criptomoedas. Por isso, veja a seguir algumas dicas gerais sobre investimentos.

Dicas para investir nas criptomoedas 

criptomoeda brasileira WiBX
Fonte: Freepik

No geral, além de afastar novos investidores, a falta de conhecimento também facilita a ocorrência de golpes. Logo, é importante recorrer a informação, atualizações e cultivar a educação financeira. Isso tanto por causa da segurança, quanto para potencializar as chances de obter melhores resultados.

Ao longo de 2021, as criptomoedas passaram a ter um destaque maior entre os investimentos e ainda há um grande espaço para o crescimento. Em comparação com outras opções, por exemplo, o mercado de ações, esse meio ainda é pequeno e a margem para expansão ainda é alta.

Apesar do potencial a ser explorado, assim como em qualquer tipo de investimento, o conhecimento faz a diferença. Afinal, também há riscos a se correr quando se tratam dos criptoativos, em especial, pela alta volatilidade.

Sendo assim, também é importante que o perfil de risco do investidor esteja bem traçado. É algo que evita que riscos incompatíveis sejam assumidos. 

Quando se fala das criptomoedas, o bitcoin é um dos principais nomes que vem à mente. E na hora de adquirir criptoativos, a dúvida a respeito das mais famosas também pode existir. Todavia, é interessante ter em mente que há mais além, nomes como Ethereum, Ripple e Litecoin também se destacam. Inclusive, modelos de projeto de ativos com uso em jogos, token não fungíveis (NFTs), entre outras possibilidades, possuem destaque.

Uma carteira com um percentual baixo em criptoativos pode amenizar os riscos, porém, vale reforçar que as vantagens e desvantagens devem ser sempre analisadas.  

Por fim, se pode perceber que, a criptomoeda brasileira WiBX conta com um grande potencial e vale a pena ficar de olho neste universo de criptomoedas no geral. Para os investidores, pode representar grandes chances desde que exista certa cautela com a busca por dados.