Anúncios

blocos econômicos
Fonte: Pexels

Dado o contexto de integração socioeconômico e cultura, que nos é conhecido como globalização, os blocos econômicos surgiram no decorrer do século XX, como facilitadores das relações comerciais entre países.

Desta forma, com a finalidade de incentivar o comércio internacional, possibilitando o aumento das transações comerciais, os blocos econômicos surgem como acordos entre países. Sendo assim, ao tornar as fronteiras estreitas entre as regiões, tais acordos propiciam maior fluxo de bens, serviços e pessoas entre os membros que lhes constituem.

Vale lembrar que, embora facilitadores do livre comércio, o fluxo comercial só se dá entre os países membros. Como foi o caso do bloco econômico Benelux, uma cooperação entre Bélgica, Holanda e Luxemburgo, cujo objetivo era facilitar a negociação de mercadorias entre os respectivos participantes.

Antes de conhecer os principais blocos econômicos do mundo, precisamos entender um pouco mais sobre cada nível de integração. Confira já!

Níveis de integração dos blocos econômicos

A verdade é que os blocos econômicos possuem características próprias e níveis de integração bem delimitados. Confira alguns tipos:

Zona de livre comércio: menor integração, que tem por finalidade a criação de um ambiente de livre circulação de capital e mercadoria, eliminando as taxas alfandegárias.

União aduaneira: caracterizada não só por uma região de livre comércio, bem como por uma tarifa externa comum entre os seus membros. Em outras palavras, nas transações de países participantes com países de fora uma mesma taxa é aplicada. 

Mercado comum: além de possuir uma forte integração entre países, em que as fronteiras são quase invisíveis, o mercado comum conta com a livre circulação de capital, bens e pessoas. Aqui, pode haver um padrão da legislação fiscal e trabalhista.

União econômica e monetária: do lado oposto da zona de livre comércio, este o nível de maior integração, visto que possui uma moeda única – a moeda comum. Neste estágio, tem-se a livre circulação de bens, capital e pessoas e uma unificação legislativa para superar os limites fronteiriços de seus membros.

Principais blocos econômicos do mundo

Sabendo o que é um bloco econômico e seus níveis de integração monetária e econômica, vale conhecer mais de perto os principais. 

NAFTA 

O NAFTA ou Acordo de Livre Comércio da América do Norte consiste em uma zona de livre comércio originada em 1992. O acordo em questão tem por membros os seguintes países: Canadá, Estados Unidos e México.

O acordo é tão arrojado que desde o século XX as trocas entres os seus membros vem propulsionando o fluxo comercial de produtos sem taxação

Vale lembrar que devido a disparidade socioeconômica, sobretudo a dependência econômica do México, em 2018, o acordo sofreu uma reformulação. 

Assim, como o Acordo Estados Unidos-México-Canadá (USMCA), o bloco econômico passou a gerar maiores vantagens econômicas para os EUA em prol da recuperação dos empregos estadunidenses.

Mercosul

O Mercado Comum do Sul se estabeleceu em 1991. O bloco se fez, primeiramente, como uma zona de livre comércio por meio da assinatura do Tratado de Assunção pelo Brasil, Uruguai, Paraguai e Argentina.

Já em 1995, uma união aduaneira, ou seja, a implementação de uma tarifa externa comum se fez ver no acordo que unia os países acima listados. 

Em outras palavras, todos os produtos importados pelo Mercosul de países que não se encontram no bloco econômico são tarifados de maneira idêntica. Tal iniciativa tende a fortalecer a relação de união em bloco – como acordo Mercosul-União Europeia.

O quinto membro a ingressar no Mercado Comum do Sul foi a Venezuela em 2012, após diversas oposições do Paraguai. Este foi suspenso devido à crise política da governança de Fernando Lugo.

Não demorou muito para a Venezuela ter seus dias contados dentro do bloco econômico. Após a crise do regime democrático, posto a instabilidade política e econômica, o país foi suspenso em 2017.

Embora o grande objetivo do Mercosul consiste em ser um mercado comum, as disparidades de ordem econômica de seus membros prejudicam sua realização. No entanto, vale dizer que os países que o compõem são grandes potências exportadoras de produtos agropecuários.

União Europeia

Dentre todos os blocos econômicos, a União Europeia é em disparado o que apresenta maior nível de integração entre seus membros.

blocos econômicos
Fonte: Pexels

O Tratado de Maastricht em 1992 acordou a relação entre 27 países. Mas, é fato que a história do bloco em questão se desenrola desde 1951. 

Neste ano, deu-se a criação da Comunidade Europeia de Carvão e Aço, uma medida para o fluxo livre de matérias primas da indústria siderúrgica em prol da recuperação dos países impactados pela 2ª Guerra Mundial.

Já em 1957, os mesmos países que ocupavam o CECA assinaram um novo acordo dando luz ao Mercado Comum Europeu (MCE) – a Europa dos Seis. Conforme o sucesso da integração, outros países ganharam aval para ingressar no bloco até o que conhecemos hoje como a Europa dos 27.

Hoje, a União Europeia, após muitos anos de história, caracteriza-se pela integração monetária e econômica e livre circulação de pessoas. E, embora, em 2012 o euro tenha se firmado como a moeda única, a Dinamarca não o adotou e alguns países sequer o podem, dadas questões econômicas internas.

Como percebemos, o assunto blocos econômicos é muito complexo e cheio de nuances. No entanto, esperamos que suas principais dúvidas tenham sido esclarecidas. Se gostou do post, compartilhe com os amigos que são apaixonados por economia.